.


.

.

03 julho, 2012

dica do sommelier n.28


Olá Amigos,

Primeiramente, respondo ao comentário deixado por Dennyse na dica anterior.
Dennyse,
Entendo que o vinho fortificado não deva acompanhar uma refeição, por mais que seja tradicional o uso de alguns deles na culinária.

É conveniente manter a regrinha de que os vinhos fortificados devem ser apreciados um pouco distante das refeições.

É claro que se pode levar o vinho à mesa após usá-lo na composição do prato que irá servir, mas para essa harmonização será melhor usar um tinto seco ou um branco seco, dependendo da iguaria elaborada.

Aproveitarei esse gancho para em breve trazer uma dica a respeito de vinhos na preparação de certos pratos. Sei que você e outros leitores, irão gostar.
Um abraço,
Dak

Hoje abordarei outro vinho fortificado, o espanhol Jerez, também denominado Xerez ou Sherry

Ele é o segundo tipo de fortificado mais famoso.


O vinho que nasce nos solos brancos de Andaluzia, empresta seu nome da cidade de Jerez de La Frontera.

Tem ainda mais variedades e estilos que o Porto e seu diferencial é que é feito apenas de uvas brancas distintas da região como as uvas Palomino, Pedro Ximenes e a Moscatel do tipo Gordo Blanco.

São os seguintes os principais tipos de Jerez:

Mais a diante falarei sobre essas classificações.

Minha dica:

Dificilmente encontraremos uma garrafa de Jerez pequena, normalmente vendem-se garrafas de 750 ml, e por ser um vinho fortificado, não se aprecia a garrafa por completo e sim um cálice por vez. Para isso tem-se que acondicioná-lo bem!

Diferente do vinho do Porto que após abri-lo pode-se guardá-lo em um local de temperatura ambiente desde que não ultrapasse os 30ºC, o vinho Jerez tem que ser guardado em uma geladeira comum após ser aberto, pois é mais sensível ao clima quente por ser vinificado com uvas brancas.

Lembrando que os fortificados conseguem durar por muito tempo mesmo estando aberto, justamente pelo seu teor de álcool elevado.

Apreciem sempre um bom e honesto vinho.